5 Motivos Para Você Ensinar Seus Filhos a Ler em Casa

Os  melhores métodos e dicas  para VOCÊ prover

uma alfabetização eficaz aos seus filhos  
até mesmo sem ser PROFESSOR!

Se você não tem muita clareza por onde começar o Método Fônico, as dicas e vantagens descritas neste E-BOOK poderão te ajudar de várias formas.

Junte-se aos 4.624 leitores inteligentes que já Baixaram Gratuitamente o ebook!

Respeitamos sua privacidade, NUNCA enviamos spam!

O que é Fonema e Grafema?

20/01/2016

o-que-e-fonema-e-grafema

O que é fonema e grafema?

Grafema é letra, símbolo gráfico utilizado para constituir palavras. Fonema é a unidade sonora utilizada para formar e distinguir palavras. O grafema é a representação gráfica do fonema. Na palavra “casa”, temos 4 letras e 4 fonemas, mas em “guerra” temos 6 letras e 4 fonemas.

O que é Grafema?

Grafemas são aquelas letras simples, onde cada letra representa um grafema como na palavra “casa”, cada letra é um grafema, onde cada letra possui um “som” elementar. A palavra casa corresponde sucessivamente aos sons “k”, “a”, “z” e “a”, portanto temos 4 letras e 4 grafemas.

 

Temos também os grafemas complexos, grupos de letras, que no português não são mais do que duas, que pronunciamos como um “som” elementar. Por exemplo a palavra “chá” que tem seu primeiro som inicial composto pelas letra “ch” que tem o mesmo som inicial da letra “x” e depois “á” que tem o som de “a”, portanto 3 letra e 2 sons.

A Palavra CHÁ possui 3 letras e 2 Grafemas.

A palavra CASA possui 4 letras e 4 Grafemas.

Grafemas são portanto, mais exatamente, as letras ou grupos de letras que correspondem a um fonema (MORAIS, 2013 pg 21)

O que é Fonema?

Já os Fonemas não são sons, fonema é uma abstração do som, é uma palavra técnica, tal como átomo, gene aminoácido etc.

 

Cada letra ou um pequeno grupo de letras possui um som elementar, mas seu nome não é som, seu nome consagrado na linguística é fonema. Ou seja fonema é antes uma abstração do som.

 

Os fonemas representam movimentos articulatórios complexos, por exemplo:

O   “b” representa o conjunto de movimentos articulatórios que são efetuados quando dizemos /ba/, /be/, ao pronunciar esta silabas repare no que você fez com a boca. Se a tinha aberta, fecharia, Onde Ficou os lábios?

Produz-se o /b/ fechando os lábios, por isso se diz que é uma oclusiva labial. Comece pronunciando /ba/ mas tente não dizer o /a/ deve ter notado que não é possível pronunciar o /b/ isoladamente, você deve ter tido a impressão de que empurrou a boca para frente com o ar que vinha dos pulmões.

Segundo Morais para confirmar esta ideia foram feitas experiências com sílabas como /ba/ gravadas, às quais se ia cortando pedacinhos de som a partir do início e, sem surpresa, a certa altura só ficou o /a/; mas quando se fazia o contrário , isto é, começava a cortar a partir do fim, pedacinho por pedacinho, quando se deixou de ouvir /ba/ com um /a/ muito breve, também não se ouvia a consoante /b/, mas um som estranho que não parecia ser fala.

Para Morais a representação que nós temos da fala é equivocada. Temos a tendência de pensar que em “rã” e “lã” há primeiro uma consoante e depois uma vogal, como se pronunciássemos uma e depois a outra. Esta impressão resulta de escrevermos primeiro a consoante e depois a vogal (r-ã).

Porém na fala isto não acontece, se quiséssemos que nossa boca tomasse a configuração para pronunciar a consoante e depois a vogal, na verdade pronunciaríamos “re-ã.  Para produzirmos “rã”, quando a boca se abre , ela já está configura para pronunciar tanto a consoante quanto a  vogal. Por isso se diz que, na fala, os fonemas são coarticulados (MORAIS 2013).

 

E reforçando a polêmica de que “b” e  “a” não fazem ba.

Para a criança que ainda não aprendeu a ler, falar “de “b”é falar de /bê…/. Dizer-lhe que as letras “b” e “a” juntas fazem “ba” é dize qualquer coisa incompreenssivel , porque /bê/ e /a/, para alguém ajuizado, não faz /ba/, faz /bê-a/, e por mais que se tente colar uma a outra,  dizê-las sem intervalo, o mais depressa possível, faz sempre /bêa/. Para essa criança, /bê/ + /a/ só fará /ba/ quando ela compreender que em a /ba/ não está /bê, o que está em /ba/, em /bu/, em /bi/ não é um som, é uma unidade abstrata da estrutura da fala (/b/), que está em todas elas (Morais 2013, pg27).

 

Referências:

“CRIAR LEITORES, para professores e educadores”, José Morais, Manole editora, 2013

Klick Educação.O que é grafema e qual sua relação com fonema?.  Disponível em: http://www.klickeducacao.com.br/bcoresp/bcorespmostra/0,5991,POR-1604-h,00.html. Acesso em: 16/10/2015

 

Patrocinado.

331475_342594882427740_340966313_o (2)

Odair Machado

Oi, tudo bem? Sou Odair  Machado, fundador do blog Método Fônico e um pai preocupado com a educação dos meus filhos.

Se você: 

Não acredita nas metodologia adotadas na escolas brasileiras para a alfabetização de crianças; 

Se você acredita que pode fazer a diferença na vida do teu filho ou aluno; 

E se você acredita que a criança pode ser melhor alfabetizada com o uso do Método Fônico 

 … Continue lendo »

Buscar no Blog


Se você não tem muita clareza por onde começar o Método Fônico, as dicas e vantagens descritas neste E-BOOK poderão te ajudar de várias formas.

5 Motivos para Você Ensinar seu Filho a Ler em Casa ...

Respeitamos sua privacidade, NUNCA enviamos spam!

11875114_1641898682745473_1650555136571452423_o

          © 2015 · Todos os direitos reservados.