5 Motivos Para Você Ensinar Seus Filhos a Ler em Casa

Os  melhores métodos e dicas  para VOCÊ prover

uma alfabetização eficaz aos seus filhos  
até mesmo sem ser PROFESSOR!

Se você não tem muita clareza por onde começar o Método Fônico, as dicas e vantagens descritas neste E-BOOK poderão te ajudar de várias formas.

Junte-se aos 3.438 leitores inteligentes que já Baixaram Gratuitamente o ebook!

Respeitamos sua privacidade, NUNCA enviamos spam!

História da Escrita

13/10/2015

História da Escrita

A história da escrita é um pouco vaga, acredita-se que humanidade inventou a escrita a mais de 5 mil anos, devido a necessidade de comunicar seus conhecimento.

historia-da-escrita

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O sistema de escrita foi criado a cerca de 3.000 a.C mil anos de maneira autônoma e independente:

  • por volta de 3,300  a.C na Suméria;
  •  no Egito, por volta de 3.000 a.C;
  •  aproximadamente 1.500 a.C na China
  • Os Maias na América Central, o tempo ainda não determinado pela ciência, que pode ter acontecido no inicio da era cristã.

Na pré-história o homem comunicava-se por meio de desenhos nas paredes das cavernas, por meio destes desenhos transmitiam seu desejos e ações, ainda não era uma forma de escrita propriamente dita, pois não havia padronizações ou organização nas representações gráficas.

As primeiras inscrições visavam reproduzir de forma simplificada os conceitos de coisas a serem representadas como imagens do cotidiano, este tipo de escrita é usualmente conhecida como pictórica ou hieroglífica. Os registros mais antigos que se tem notícia forma encontrados  na cidade de Uruk, atual região sul do Iraque.

Ao notar-se a semelhança entre os sons empregados em objetos distintos, começou a surgir o uso dos primeiros sinais fonéticos.

RIZZO, (2005) faz um resumo da evolução da escrita de maneira contundente:

  • passando pela  pintura nas cavernas do período paleolítico;
  • evoluindo na pictografia que eram desenhos copiados da natureza com relativo realismo; aperfeiçoou-se com a simplificação desses desenhos, transformando-os em ideogramas (sinais simplificados de desenhos, já sem a preocupação de fazê-los cópias fiéis da natureza)
  • e resultou na criação dos fonogramas (sinais que representam os sons da língua falada), invenção essa atribuída ao povo semita, que habitava a Ásia Menor.

  História da Escrita – Os primeiros alfabetos

Os primeiros alfabetos surgiram na antiguidade, quando diferentes civilizações passaram a trabalhar com sistemas mais simplificados.

Os comerciantes Fenícios tiveram grande contribuição no desenvolvimento da escrita, por conta dos seu contatos comercias com outros povos, neste contexto os fenícios popularizaram o alfabeto com apenas 22 caracteres.

Depois dos Fenícios as civilizações greco-romanas deram grande contribuição na formação do alfabeto atual, introduzindo o uso de vogais.

Séculos depois, os romanos deram formas claras ao sistema alfabético. Graças a formação de um vasto Império Romano e de seu contato com os bárbaros, as línguas latinas predominaram em diversas culturas e no mundo contemporâneo. (SOUSA, 2009)

Segundo CAGLIARI (1999, p.15-16) aconteceu algo curioso na escrita semítica, para desenvolver a leitura e a escrita, os semitas escolheram um conjunto de palavras cujo primeiro som  fosse diferente dos demais, como nenhuma palavra da língua semita começava com vogal, a lista continha apenas consoantes, isto reduziu os modelos silábicos da escrita cuneiforme, de aproximadamente 60 elementos para 21 consoantes.

Por volta do século XV a.C, o alfabeto fenício arcaico era o mais difundido entre os povos. Era composto por 22 signos que permitiam escrever qualquer tipo de palavra devido a sua simplicidade, dando origem a todos os alfabetos atuais.

O alfabeto fenício expandiu-se para outras regiões que não sofriam influencia fenícia por meio da fundação de colônias fenícias no Chipre, no Norte da África e Egito.

No século VIII a.C. Os gregos incorporaram ao  alfabeto fenício arcaico algumas vogais e  alfabeto grego clássico, composto por 24 letras (vogais e consoantes), deste alfabeto originou o alfabeto etrusco e o alfabeto gótico da idade media, dando origem ao alfabeto latino, e expandiu-se pelo ocidente com a expansão do Império Romano.

Os Romanos assimilaram tudo o que podiam da cultura grega, quanto ao alfabeto grego, acharam interessante o princípio acrofônico, perceberam que as letra não precisavam ter nomes específicos era mais fácil ter como nome da letra seu próprio som. Foi assim que alfa, beta, gama, delta, épsilon, etc. transformaram-se em a, bê, cê, dê, e, etc. (FREITAS,2011)

 

 

Referências:

 

CAGLIARI, L. C. Alfabetizando sem o bá . bé . bi . bó . bu. 2. ed. São Paulo: Scipione, 1999.

FREITAS, Patricia Gomes. Um olhar sobre o método fônico. 2011. 57p. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia) – Universidade Estadual de Londrina –Londrina – 2011.

SOUSA, Rainer. Origem da Escrita. 2009. Disponível em: http://www.mundoeducacao.com/historiageral/origem-escrita.htm. Acesso em: 07/09/2015

 

RIZZO, Gilda. Alfabetização natural. 3. Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

 

Postado por Odair

Patrocinado.

331475_342594882427740_340966313_o (2)

Odair Machado

Oi, tudo bem? Sou Odair  Machado, fundador do blog Método Fônico e um pai preocupado com a educação dos meus filhos.

Se você: 

Não acredita nas metodologia adotadas na escolas brasileiras para a alfabetização de crianças; 

Se você acredita que pode fazer a diferença na vida do teu filho ou aluno; 

E se você acredita que a criança pode ser melhor alfabetizada com o uso do Método Fônico 

 … Continue lendo »

Buscar no Blog


Se você não tem muita clareza por onde começar o Método Fônico, as dicas e vantagens descritas neste E-BOOK poderão te ajudar de várias formas.

5 Motivos para Você Ensinar seu Filho a Ler em Casa ...

Respeitamos sua privacidade, NUNCA enviamos spam!

11875114_1641898682745473_1650555136571452423_o

          © 2015 · Todos os direitos reservados.